Maringaense Laurentino Gomes é um dos vencedores do 62º Prêmio Jabuti

O escritor venceu a premiação na categoria “Biografia, Documentário e Reportagem” com o primeiro volume de sua trilogia “Escravidão”

O escritor e jornalista maringaense Laurentino Gomes foi um dos vencedores do 62º Prêmio Jabuti, um dos mais importantes na área de literatura brasileira. Seu livro “Escravidão – Do primeiro leilão de cativos de Portugal até a morte de Zumbi dos Palmares” (Globo Livros) foi o vencedor na categoria “Biografia, Documentário e Reportagem”.

O anúncio foi feito em uma cerimônia virtual, que ocorreu na noite desta quinta (26/11), pelo YouTube da Câmara Brasileira do Livro, realizadora do prêmio. Os ganhadores ainda receberão o troféu em suas casas. No Twitter, Laurentino Gomes fez o seu agradecimento:

“Obrigado, @CBL_oficial. Imensa honra para mim receber mais este Prêmio Jabuti, o sétimo de minha carreira como escritor. Obrigado especialmente aos leitores, pela generosa acolhida da “Escravidão”, primeiro volume”.

Como o próprio escritor mencionou, essa não é a primeira fez que ele ganha um Prêmio Jabuti. Seus livros “1808”, “1822” e “1889” foram vencedores nas categorias Reportagem e Livro de Não Ficção do Ano em 2008, 2011 e 2014, respectivamente.

O premiado livro

Foto: Divulgação

“Escravidão – Do primeiro leilão de cativos de Portugal até a morte de Zumbi dos Palmares” é um reunião de ensaios e reportagens que cobrem um período de 250 anos, com os assuntos descritos no título. Os próximos volumes, ainda não lançados, abordarão desde o auge do tráfico negreiro até a abolição da escravatura no Brasil, em 13 de maio de 1888.

A obra é resultado de um trabalho de seis anos de pesquisas de Laurentino Gomes, que visitou bibliotecas, locais históricos e centros de estudos de 12 países em seis continentes.

VEJA TAMBÉM: Cientistas negras brasileiras são homenageadas em novo livro de passatempos do “Meninas e Mulheres nas Ciências”

Segundo depoimento do escritor na época do lançamento do livro, a escravidão é o assunto mais importante da história do Brasil “Fomos a maior sociedade escravagista do Hemisfério Ocidental por mais de trezentos anos. Quarenta por cento de todos os doze milhões de cativos africanos trazidos para as Américas tiveram como destino o Brasil. Portanto, sem estudar a escravidão seria impossível entender o que somos hoje e também o que pretendemos ser no futuro”, afirmou.

Finalistas paranaenses

Outros cinco paranaenses e um escritor que foi criado no Paraná também eram finalistas do Prêmio Jabuti. A curitibana Luci Collin concorreu na categoria “Poesia”, o historiador Fábio Garcia em “Crônica”, o ilustrador londrinense Willian Santiago em “Ilustração”, o diretor de arte Alceu Chiesorin Nunes em “Capa”, a ponta-grossense Marina Basso Lacerda em “Ciências Sociais” e o paranaense de criação Jotabê Medeiros também em “Biografia, Documentário e Reportagem”, mesma categoria que o Laurentino Gomes foi vencedor.

 

Você sabia que o Curitiba de Graça é um veículo feito por jornalistas e é independente? Para continuarmos fazendo nosso trabalho de difusão da cultura precisamos do seu apoio. Veja como colaborar AQUI.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicações Recentes

Exposição de Yutaka Toyota volta a cartaz no Museu Oscar Niemeyer

Mostra traz 86 obras do artista, um dos pioneiros do movimento cinético internacional e da arte interativa A premiada exposição...
- Advertisement -

Veja Também

close-link
1vbOJm4gRLHIeVVCT3VKjoSf3gUTH4wpm3RqkByOFLr5dpTNpnfG0zRzWqFtH2zDleb85kuSfcU8zHc5lgdOnw==