Roteiros revelam a contribuição cultural do afrodescendente para a formação de Curitiba

Conheça os percursos que contam a história dos negros na capital paranaense

Por Kristiane Rothstein

Embora cerca de 30% da população de Curitiba seja composta por negros e pardos, ainda hoje pouco se fala da influência do africano na construção cultural e social da cidade. Para identificar e divulgar locais associados à memória negra na capital paranaense, duas iniciativas de percursos por logradouros abrem espaço para um olhar reflexivo e inclusivo.

A Universidade Federal do Paraná criou o AfroCuritiba – percurso que, antes da pandemia era feito mensalmente, aos sábados pela manhã, com um guia para relatar a peculiaridade de cada local, agora pode ser feito on-line pelo afrocuritiba.afrosul.com.br. O outro percurso é o Linha Preta Curitiba, criado por alunos de Jornalismo do Centro Universitário UniBrasil e pelo Centro Cultural Humaita. Hoje, o roteiro é organizado pelo Centro Humaita que também desenvolve outras iniciativas para dar visibilidade à presença afro na cidade.

O percurso desenvolvido pelo Projeto de Extensão da Universidade Federal do Paraná é coordenado pela historiadora Joseli Mendonça, que é quem faz a mediação dos roteiros. “Eu mesma gosto de ir guiando as pessoas no percurso. Há sempre uma troca de informações muito grande, então, nós ensinamos e também aprendemos com os participantes”, conta. Ela explica que os pontos para serem visitados foram definidos com base nas pesquisas históricas.

A historiadora Joseli Mendonça, mediadora dos roteiros AfroCuritiba. Foto: Divulgação

O percurso, que conta com ruas, praças e monumentos, foi criado em 2015 e hoje conta com nove locais para serem visitados e cerca de três quilômetros de caminhada. “Há locais que as pessoas nem imaginam a contribuição da presença negra na cidade.” Ela cita a Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos de São Benedito e a Praça Zacarias, que era ponto de encontro de negros escravizados ou já livres, local em que no século XIX foi erguido um chafariz (para abastecer a cidade) pelo engenheiro negro Antônio Rebouças – irmão do André, que dá nome à Rua Engenheiro Rebouças, no bairro de mesmo nome.

“No dia a dia, as pessoas normalmente relatam a imigração europeia que Curitiba recebeu. Mas, ao fazer as pesquisas acadêmicas percebemos que a presença da população negra foi muito importante e se dá até desde antes dessas imigrações”, revela a professora, comentando que passada a pandemia, os percursos, que são gratuitos, voltarão a ser feito in loco.

O registro visual mais antigo como sendo de Curitiba, é uma pintura do pintor francês Jean Baptiste Debret, referente à região central da cidade, em que mostra um operário negro, trabalhando numa construção. Debret teria feito a pintura na Missão Artística Francesa ao Brasil, que ocorreu entre 1816 e 1831. Debret era conhecido por retratar e reproduzir imagens do que via, ou seja, se trataria de uma pintura do que de fato teria ocorrido

Para quem quiser saber mais sobre a pesquisa e o percurso criados pelo Projeto de Extensão UFPR, pode acompanhar a entrevista da professora Joseli Mendonça na próxima semana, dia 26 de novembro, às 20h, para a jornalista Thea Tavares, no Instagram Movimento Gota D’Água. Em debate, a “Invisibilidade e resistência histórica do negro nas cidades brasileiras”. A entrevista terá também a participação do historiador e pesquisador Carlos Mariano, colunista do Curitiba de Graça.

Linha Preta

Surgido também com os conhecimentos desenvolvidos nos bancos universitários, o outro roteiro que relata a presença negra na cidade é o Linha Preta Curitiba, com 21 pontos para serem percorridos em pouco mais de duas horas de visita. No mês de novembro as visita guiadas já voltaram a ser feitas e custam 30 reais por pessoa, com descontos para grupos maiores fechados.

“Cerca de 2 mil pessoas já participaram das visitas guiadas. Recebemos turistas de todos os lugares, crianças, pesquisadores… interessados no roteiro. Durante o percursos contamos aspectos históricos e culturais e também sobre personagens da histórias que são negros e foram embranquecidos nos livros e documentos e outros que, simplesmente foram apagados da história”, conta Melissa Reinehr, diretora do Centro Cultural Humaita.

Melissa Reinehr, diretora do Centro Cultural Humaita, e o pesquisador Candieiro. Foto: Divulgação

Melissa explica que a importância de percursos que revelam a memória da cidade vão muito além do aspecto turístico e intelectual. “Toda vez que não é mencionado a contribuição da cultura afro para uma cidade, um estado ou um país está ocorrendo o apagamento do negro na história”, sentencia. “Não se pode ser conivente com essa exclusão, é preciso contar essa história, resgatar a importância do negro para a construção do país.”

Para contar e dar relevância à presença negra na história das cidades, o Centro Cultural Humaita também passou a editar livros, entre os quais o “Oralidades Afroparanaenses” e o “Caderno Pedagógicos”, em parceria com a Secretaria de Educação do Paraná.

VEJA TAMBÉM: Curitiba de Graça lança campanha de financiamento coletivo

Para agendar uma visita guiada, basta ligar para (41) 99161-7961 ou 98499-1845. Mais informações estão disponíveis no site https://linhapretacuritiba.wixsite.com/linha-preta.

Poema de Melissa e Candiero, em “Afrocuritibanos: crônicas, manifestos e pensamentos azeviche” (Curitiba: Editora Humaita, 2015)

CURITIBA AFRO
Um grito engasgado ecoou
E a Curitiba Afro se libertou
Mesmo com o apagamento
A história do negro
Hoje se revelou
Curitiba é negra
Afro Curitiba

Hoje na avenida vou louvar meus ancestrais
Busco invocar nossa história
Reavivar nossa memória
Na vida e no carnaval
De Zacarias a Rebouças
Se iniciam caminhos e novos trilhos
Que construíram nossa capital

Vou falar de Enedina
Mulher negra na engenharia
Com seu toque magistral
Também não me esqueço dos tropeiros
Os trabalhadores eram negros
E viviam na capital
Paraná estado mais negro do sul
Seu símbolo é gralha azul

Com uma cabeça singular
Passado presente na memória
Suas marcas são histórias
Deste povo milenar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicações Recentes

Espetáculo teatral baseado em provocante texto chileno tem apresentação on-line gratuita

Projeto de companhia curitibana exibe "Dezembro", com texto do chileno Guillermo Calderón, e oferece oficinas gratuitas No dia 4 de...

Natal Solidário do LIDE Paraná arrecada alimentos para comunidades carentes

As doações de cestas básicas podem ser feitas até o dia 5 de dezembro Em 2020, o Natal Solidário do LIDE Paraná ganha nova roupagem, a...

Publicação inédita retrata a presença negra na Curitiba dos séculos 19 e 20

Desdobramentos sociais desde antes da Abolição da Escravatura são abordados na publicação Uma edição especial da série Boletim Casa Romário Martins marca o encerramento das...

Estreias na Amazon e Netflix, dicas do Disney+ e outras novidades dos mundos do cinema e música

Estreias na Netflix e na Amazon, dicas de filmes temáticos, sugestões da Disney+, indicados ao Grammy e outras novidades culturais desta semana Por Flávio Jayme DICA...

Cena Hum apresenta edição virtual da Mostra Multiartes

Essa é a maior mostra acadêmica de artes cênicas do Paraná No próximo sábado (28/11), inicia a 50ª. edição da Mostra Multiartes Cena Hum, maior...

Veja Também

close-link