#Retrospectiva: Biblioteca Pública do Paraná levou ações culturais para a internet

Pandemia obrigou a BPP a adaptar projetos já existentes e criar novos conteúdos no formato on-line

Em um ano atípico, a Biblioteca Pública do Paraná (BPP) foi um dos espaços culturais que precisou fechar suas portas ao público no dia 17 de março. Impossibilitada de emprestar livros e promover suas tradicionais atividades, a instituição intensificou suas ações culturais e de incentivo à leitura na internet, adaptando projetos já existentes e criando novos conteúdos para adultos e crianças.

O resultado foi um aumento expressivo da audiência de seus canais digitais, que também passaram a alcançar outros estados do Brasil. Apenas no site da BPP, os novos usuários representaram 89% do público desde o início da pandemia. O número de acessos também deu um salto: foram de 2,5 mil em março para 19,6 mil em novembro.

“A Biblioteca fez questão de manter o vínculo com seus usuários. Nossa principal preocupação foi migrar o máximo dos serviços oferecidos para os meios digitais e criar outros novos. Nenhum dos nossos principais projetos foi cancelado. Ao contrário, conseguimos criar versões mais atuais e abrangentes de alguns deles, como o jornal Cândido, a Festa Literária da Biblioteca e o Prêmio Biblioteca Digital”, afirma Ilana Lerner, diretora da instituição.

Único jornal de literatura editado por uma biblioteca pública no país, o Cândido (candido.bpp.pr.gov.br) continuou produzido em versão on-line durante a quarentena. Nessa nova fase, a publicação, que circula mensalmente desde 2011, ganhou mais dinamismo e urgência, conectando o universo literário e das artes em geral com os grandes debates contemporâneos.

Outra ação tradicional da BBP, seu concurso literário anual, também migrou totalmente para o formato digital. Transformado em Prêmio Biblioteca Digital, recebeu mais 1,2 mil inscrições de escritores de todo o país, que concorreram com livros inéditos em quatro categorias. Os 12 melhores colocados receberam prêmios em dinheiro e tiveram suas obras publicadas no formato de e-book e disponibilizadas gratuitamente no site da Biblioteca Pública. Para fazer o download, basta clicar AQUI.

“Neste momento tão conturbado para a cultura brasileira, um prêmio desse tipo, organizado no Paraná, é um alento para autores, diagramadores, capistas, revisores, jurados e, claro, leitores, que terão acesso às obras, sem desembolsar um tostão, degustando um pouco da literatura brasileira contemporânea”, diz o escritor Alexandre Gaioto, de Maringá, segundo colocado na categoria poesia com o livro “Não Há Dezembro Neste Breu”.

VEJA TAMBÉM: #Retrospectiva: Ambiente virtual levou espetáculos do Teatro Guaíra para a casa do público

Encerrando a programação do ano, a BPP promoveu, entre os dias 8 e 11 de novembro, a quarta edição da sua festa literária, a Flibi. Totalmente on-line, com bate-papos e cursos transmitidos ao vivo, a programação reuniu mais de 20 convidados, como Eliane Brum, Ignácio de Loyola Brandão, Xico Sá, Paulo Scott, Ferréz e Mel Duarte, entre outros, além de atrações para o público infantil. Todos os vídeos estão disponíveis no canal do YouTube BibliotecaPR.

Incentivo à leitura

A Biblioteca Pública ainda mantém um trabalho permanente de incentivo à leitura nno Instagram, Twitter e Facebook. São posts com indicações de bibliotecas digitais e e-books gratuitos, além das séries Dica da Equipe (com sugestões de leitura dos próprios bibliotecários e funcionários da instituição), Onde Escrevo (em que escritores e jornalistas do estado mostram seus locais de trabalho e leitura durante a quarentena), Nosso Acervo (raridades e curiosidades disponíveis para empréstimo e consulta na BPP) e Vitrine (um espaço para autores divulgarem seus novos projetos).

Para as crianças, foi criado o canal no YouTube BPP Conta, que traz a versão virtual do projeto Hora do Conto, gravados pela equipe da BPP e também por parceiros, como o Coletivo Era Uma Vez (formado por escritores e ilustradores da literatura infantojuvenil de Curitiba) e o grupo Cada Canto um Conto (criador da série Lendas Brasileiras).

Os conteúdos foram desenvolvidos com o objetivo de aproximar as crianças da literatura nacional e estrangeira e são apresentados por meio das mais variadas técnicas de contação (teatro de sombras, fantoches, maquetes, entre outros), para fazer com que o público se reconheça nas histórias.

A equipe da Seção Infantil da Biblioteca ainda adaptou para a internet o projeto Era Uma Zine. Concebido no formato de fanzine (ou seja, sem a estrutura formal de livros e periódicos), a publicação voltada para o público infantil traz propostas de atividades e conteúdos sobre literatura, cultura e artes. Todas as publicações podem ser baixadas gratuitamente no site da Biblioteca Pública do Paraná.

 

Você sabia que o Curitiba de Graça é um veículo feito por jornalistas e é independente? Para continuarmos fazendo nosso trabalho de difusão da cultura precisamos do seu apoio. Veja como colaborar AQUI.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicações Recentes

Oficina de Música: Programação infantojuvenil ganha destaque na edição virtual

Shows para as crianças e bate-papos para pais e educadores estão entre as atrações A educação musical também têm destaque...
- Advertisement -

Veja Também

close-link
1vbOJm4gRLHIeVVCT3VKjoSf3gUTH4wpm3RqkByOFLr5dpTNpnfG0zRzWqFtH2zDleb85kuSfcU8zHc5lgdOnw==