Papo de Bamba: Os 93 anos de Mangueira e a favela como lócus da Cultura Negra

Estação Primeira de Mangueira é mais do que cultura, mas também um produto social da saga dos negros afrodescendentes por moradia e trabalho na pós-abolição

Carlos Mariano Filho

No dia 28 de abril completou 93 anos de história uma das escolas de samba mais tradicionais deste país: a querida Estação Primeira de Mangueira. Não vou me deter a falar dos grandes baluartes fundadores e apaixonados pela Verde Rosa, como Cartola, Carlos Cachaça, Delegado, Mestre Cumprido, D. Zica, Alcione, Beth Carvalho, Leci Brandão e outros mais. Mas, vou fazer uma breve reflexão na história da Mangueira sobre a importância dela para a transformação da favela da Mangueira em lócus da diáspora negra carioca.

Júlio Cesar Tavares em sua obra “Diáspora Africana: A experiência Negra de Interculturalidade”, define a ideia de diáspora africana como a ligação dos afrodescendentes com sua ancestralidade. Através de uma representatividade identitária e cultural, que vai sempre fortalecer a presença dos sujeitos dessa ancestralidade nas práticas no mundo em que vivem os afrodescendentes, lutando dessa forma contra a invisibilidade do negro imposta pelo racismo estrutural.

É justamente essa luta que ocorre no fenômeno da criação das escolas de samba no fim da década de 1920. A Estação Primeira de Mangueira, criada no morro, é fruto da luta pela moradia das populações negras na Primeira República. A criação da escola de samba herdada do Bloco dos Arengueiros se tornou a representatividade da cultura deixada pela ancestralidade africana. O samba será a alma sonora dos morros e vielas cariocas, herdado dos batuques africanos, trazido para o Brasil por escravizados originários de Angola e do Congo, principalmente.

Mas para essa alma negra se fixar nos morros do Rio de Janeiro e depois transcender para o encantamento geral da cidade, negros e negras marginalizados pelo racismo estrutural da Primeira República vão ter que lutar contra a política de remoção de morros e favelas que imperou na cidade do Rio de Janeiro na época.

O surgimento da Verde Rosa em 1928 está ligado intimamente à luta por moradia da população negra descendentes de escravizados libertos em 1888, depois de muita luta, mas que continuou sendo discriminada e excluída da pauta do progresso parisiense da nossa elite tropical.

No livro “Escolas de Samba: Sujeitos Celebrantes e Objetos Celebrados”, Nelson da Nóbrega Fernandes relata, de forma brilhante, como a fundação da escola de samba Mangueira, por Cartola, Carlos Cachaça e companhia, está relacionada à vitória dos moradores da Mangueira contra a política de remoção de moradores de favelas do Rio de Janeiro. Nóbrega conta em seu livro que, por várias vezes, os moradores do morro de Mangueira foram ameaçados por ações judiciais para que fossem removidos dali.

Carlos Cachaça, um dos poetas fundadores da Verde e Rosa, foi sujeito dessa história de ocupação e afirmação da comunidade de Mangueira no morro. Cachaça contou em entrevista ao jornalista e pesquisador Sérgio Cabral, que morava com o pai no Morro dos Telégrafos, numa vila que pertencia à Estrada de Ferro Ferroviária. Portanto, a favela da Mangueira vai se forjar a partir de terrenos que serão ocupados por famílias de trabalhadores e desabrigados nas encostas do Morro dos Telégrafos.

O samba é filho da dor, da discriminação de cor e de classe que ocorria na Primeira República. Ainda no seu relato a Cabral, Cachaça conta que quando garoto saiu da casa do pai para morar com o padrinho Tomás Martins em um dos terrenos da ocupação nas cercanias do Morro dos Telégrafos. O local deu origem à favela da Mangueira. Tomás, português astuto, negociava arrendamentos de terrenos nos morros em torno do Telégrafo com o poderoso Alberto Negreiros Saião Lobão, o Visconde de Niterói, considerado o verdadeiro dono do Morro dos Telégrafos e adjacências. Como Tomás era analfabeto, Cachaça passou a emitir os recibos dos barracos alugados na emergente favela da Mangueira. Ainda nesse fabuloso depoimento a Cabral, citado na obra de Nóbrega, Carlos Cachaça afirma que seu padrinho Tomás foi o criador e líder da ocupação da favela da Mangueira.

Toda essa transação de ocupação, compra e venda de terrenos e barracos na comunidade de Mangueira foi batizada com a anuência do prefeito Pereira Passos, através do decreto Municipal nº 391, que estabeleceu normas para construções de moradias no município do Rio, na época Distrito Federal. O decreto proibia construções de barracos e casas de madeiras no centro da cidade e na Zona Sul do Rio. Mas, abria exceção para os morros desabitados, onde poderiam ser construídos através da obtenção de licença da burocracia. Assim, Pereira Passos expulsava das zonas ricas da cidade, negros e trabalhadores marginalizados, empurrando-os para as áreas periféricas do município do Rio. Nascia assim, a chamada “cidade partida”, batizada no célebre livro de Zunir Ventura.

A escola de samba Estação Primeira de Mangueira é, portanto, produto social dessa saga dos negros afrodescendentes por moradia e trabalho na pós-abolição. Essa nação negra chamada Mangueira, maior escola do planeta, como gostava de bradar o saudoso sambista mangueirense Luisito, representa hoje, nos seus 93 anos de glória e conquistas, a afirmação do povo preto como construtor do imaginário nacional do que é ser brasileiro aqui e fora do país. Apesar de toda a perseguição e marginalização sofrida, a negritude produziu uma manifestação cultural que fez do Rio de Janeiro uma cidade negra na sua alma cultural e leva essa cultura e encantamento aos quatro cantos do mundo.

Parabéns a você, Mangueira!

Bibliografia

  • Da Nobrega, Nelson Fernandes. Sujeitos Celebrantes e Objetos Celebrados. Prefeitura do Rio de janeiro, 2001.
  • Cabral, Sérgio . Escolas de Samba do Rio de Janeiro. Lazuli Editora, Rio de janeiro 2011.
  • Tavares, Júlio Cesar. Diáspora Africana: A experiência Negra de Interculturalidade. Nº 10 dos Cadernos PENESB , 2010.

 


Carlos Mariano Filho, mais conhecido por professor Mariano, é historiador, professor de História, Sociologia e Filosofia da Rede Pública do Rio de Janeiro. Pesquisador de escola de samba desde 2000, sua primeira lembrança de encantamento do carnaval foi, ao ver na casa da sua tia Ana (uma espécie de camarim de desfile de carnaval), o ritual de preparação das baianas da Vila Isabel, com suas saias rodadas, miçangas e devoção à arte de rodar

 


Você sabia que o Curitiba de Graça é um veículo feito por jornalistas e é independente? Para continuarmos fazendo nosso trabalho de difusão da cultura precisamos do seu apoio. Veja como colaborar AQUI.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Publicações Recentes

Novo suspense de M. Night Shyamalan estreia no Cine Passeio

Programação desta semana ainda tem filmes ganhadores de Oscar e longa-metragem brasileiro O novo suspense do diretor M. Night Shyamalan...
- Advertisement -

Veja Também

spot_imgspot_img

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Importante: Este site faz uso de cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes.