Papo de Bamba: Dia de São Jorge e as escolas de samba

Santo católico é padroeiro de três escolas de samba brasileiras

Carlos Mariano Filho

Dia 23 de abril é dia de celebrar e festejar São Jorge. Todos os anos e em todos os cantos do país, vemos as igrejas de São Jorge lotadas de fiéis para cultuarem, celebrarem e pagarem promessas para o santo guerreiro. Por ser o santo mais popular no Rio de Janeiro, é obvio que São Jorge teria uma relação enorme com as escolas de samba.

Estácio de Sá, herdeira da Deixa Falar, primeira escola de samba do Brasil, Império Serrano e a Unidos de Padre Miguel têm São Jorge como seus padroeiros. As escolas de samba, produtos da cultura afro-brasileira, historicamente se aproximaram do santo católico, seguindo, talvez, uma tradição vinda ainda do tempo da escravidão negra no Brasil – uma estratégia de dissimulação contra a opressão colonizadora branca católica. São Jorge equivale a Ogum, orixá do panteão das religiões de matrizes africanas. Essa aproximação, e não a fusão dos elementos da religião católica com as de matrizes africanas no Brasil, seria uma demonstração de respeito que os negros, assim como outros povos, tiveram com a cultura daqueles que os conquistaram. Essa estratégia dos negros deu certo: eles nunca deixaram de cultuar seus orixás.

São Jorge já foi tema e citado várias vezes nos enredos das escolas de samba do Rio de Janeiro ao longo de sua história. Vou destacar aqui dois enredos recentes que geraram sambas muito bonitos.

O primeiro é o samba de 2007 do Império da Tijuca, escola do morro da Formiga: “São Jorge o Intrépido Santo Guerreiro”. O enredo, como o próprio nome diz, ressalta o lado destemido e guerreiro do cavalheiro da Capadócia. Desenvolvido pelo carnavalesco Sandro Gomes, o samba é de autoria de um único compositor, o Bola, algo raríssimo nos dias de hoje, tempos de disputa mercantilizada de samba-enredo. O lindíssimo samba de Bola narra, em sua fase inicial, a saga de São de Jorge como cavalheiro do Império Romano. As estrofes do samba descrevem, com muita emoção e lirismo, a devoção do cavalheiro à religião cristã e a perseguição do imperador Diocleciano, responsável por sua execução. O samba termina com a lembrança que o popularíssimo santo é também o padroeiro do Esporte Clube Corinthians, que tem a segunda maior torcida de clube de futebol do país.

Em 2016, a escola de samba mais antiga do Brasil, a nossa amada Estácio de Sá, também fez uma esplendorosa homenagem ao santo guerreiro. “Salve Jorge! O Guerreiro da Fé” foi desenvolvido pelo consagrado e talentoso carnavalesco Chico Espinoza em parceria com Amauri Santos e Tarcísio Zanon, atual carnavalesco campeão do carnaval carioca pela Viradouro. O belo samba-enredo interpretado pela dupla de vozes consagrada Vander Pires e Dominguinhos do Estácio levou a assinatura de um luxuoso condomínio de compositores: Edson Marinho, Adilson Alves, JB, Jorge Xavier e André Félix Salviano.

“Estou vestido com as armas de Jorge
Meus inimigos não vão me alcançar
Tu és bondade pelo mundo inteiro
Santo padroeiro igual não há”

Esse comovente refrão do samba do Estácio de Sá retrata a devoção do povo perante o seu santo predileto. Mostra também a identidade guerreira do povo brasileiro em não desistir nunca das batalhas inglórias do penoso dia a dia. Para os estacianos, entoar o lindo samba na avenida teve um tempero de emoção a mais porque São Jorge é o padroeiro da escola. Infelizmente a Estácio não teve uma boa colocação no desfile e acabou sendo rebaixada para a série A. Mas, pouco importou: o importante foi a emoção causada pelo desfile e, principalmente, o samba da escola, que mostrou, com muita sensibilidade artística e poética, a simbiose entre o profano e o sagrado. Coisa que as escolas de samba sabem fazer muito bem.

Salve, Jorge!

Carlos Mariano Filho, mais conhecido por professor Mariano, é historiador, professor de História, Sociologia e Filosofia da Rede Pública do Rio de Janeiro. Pesquisador de escola de samba desde 2000, sua primeira lembrança de encantamento do carnaval foi, ao ver na casa da sua tia Ana (uma espécie de camarim de desfile de carnaval), o ritual de preparação das baianas da Vila Isabel, com suas saias rodadas, miçangas e devoção à arte de rodar

 


Você sabia que o Curitiba de Graça é um veículo feito por jornalistas e é independente? Para continuarmos fazendo nosso trabalho de difusão da cultura precisamos do seu apoio. Veja como colaborar AQUI.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Publicações Recentes

Por trás das cortinas da Ave Lola: a primeira década de uma trupe de teatro

Trupe Ave Lola completa dez anos e lança websérie documental em maio Quais são as histórias que uma trupe de...
- Advertisement -

Veja Também

spot_imgspot_img

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Importante: Este site faz uso de cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes.