Escritores paranaenses indicam livros para presentear neste Natal

Confira alguns títulos sugeridos por autores locais

Por Camile Triska

O Natal está chegando e você ainda precisa comprar presentes? Que tal um livro? É sempre uma ótima opção para relaxar, distrair, refletir, “viajar” por outros mundos e lugares. Com um livro você adquire mais conhecimentos e ainda se diverte.

Em um ano atípico, quando as festas natalinas precisam ser reduzidas ou a distância, ainda dá para comprá-lo on-line e mandar diretamente para o presenteado, que pode ser inclusive, você mesmo. É claro que quando deixamos para comprar em cima da hora, há riscos de ser entregue depois das festas natalinas, mas, presente é presente, quem liga para atrasos?

Pedimos para escritores paranaenses indicarem algumas opções para você. Confira as dicas, inclusive, com sugestões de literatura infanto-juvenil e de reedições, tenha uma ótima leitura e um feliz Natal!

ALVARO POSSELT

Foto: Reprodução/Facebook

A Última Folha, de Adriana Barretta Almeida
Editora Insight
“O livro traz a visão de mundo de uma folha, a última a cair da árvore. A condução narrativa oferece ao leitor uma perspectiva sensível e cheia de poesia sobre a passagem do tempo, o envelhecer.”

CAROL SAKURA

Foto: Divulgação

A peça intocada, de Luci Collin
Editora Arte & Letra
*O livro está esgotado no site da editora, mas você encontra em outras livrarias
“É uma alegria poder se surpreender com um livro. Foi o que aconteceu com a “Peça Intocada”, de Luci Colin, autora que admiro demais. Fiquei encantada com os diversos e multifacetados pontos de vista das diferentes narrativas do livro. Você desliza de um universo para outro e precisa trocar completamente de roupa para participar do novo jogo que o livro vai propor logo em seguida. É uma experiência muito rica com o melhor de nossa literatura.”

A alma perdida, de Olga Tokarczuk e Joanna Concejo
Editora Todavia
“Me encantou encontrar o livro infantil escrito por Olga Tokarczuk e ilustrado por Joanna Concejo. Ele é bem o tipo de livro que é muito mais do que um livro para a infância. Nele, palavras e imagens são empregadas na medida certa para criar um espaço mágico e doce. Procuramos juntos pela alma perdida e é de uma imensa delicadeza poesia como a encontramos no livro.”

GIOVANA MADALOSSO

Foto: Divulgação

Canções de atormentar, de Angélica Freitas
Editora Companhia das Letras
“Angélica Freitas é uma das vozes mais poderosas da poesia brasileira. Em seu último livro, lançado em 2020, ela volta a combinar lirismo e humor em poemas que seguem ecoando após a leitura.”

GUIDO VIARO

Foto: Reprodução/Instagram

A Montanha Mágica, de Thomas Mann
Editora Companhia das Letras
“É um dos grandes romances do século 20. Hans Castorp, o personagem principal sofre de tuberculose e é internado em um sanatório na cidade suíça de Davos. Lá conhece outros doentes e com eles entabula longas discussões filosóficas que abrangem temas como arte, morte, sentido da vida, amor, é uma obra fundamental e rica da primeira à última página. Um daqueles livros que nos transforma.”

VEJA TAMBÉM: Curitibana indica livros de escritoras brasileiras no Instagram

JOSÉ AGUIAR

Foto: Divulgação

O Filho Mau, de Carol Sakura e Walkir Fernandes
Distribuído gratuitamente na Itiban Comic Shop (Avenida Silva Jardim, 845 – Água Verde) 
“Inspirada em um caso familiar real, é um mergulho sutil num trauma familiar com graça narrativa, delicadezas no texto e uma sinceridade enorme. Foi a HQ que li esta semana e que precisarei digerir nas próximas. Uma obra de uma dupla criativa que ainda promete muitas coisas boas pela frente.”

LUCI COLLIN

Foto: Divulgação/Sesc PR

O mez da gripe, de Valêncio Xavier
Editora Arte e Letra
“Essa narrativa-kinema trata da gripe espanhola, das “tropas alliadas”, de relatos do passado (ah, Dona Lucia, danadinha), das moléstias do peito, dos “obitos de hontem”. Contempla dos bairros, cinemas e missas de Curityba à grande angular da Europa na Guerra, numa poética de fluxo e motilidade composta de anúncios e recortes de jornal, quadras eróticas, colagem, deslocamentos temporais, absurdo, ironia, comicidade. Tudo isso sim, pela mão firme do Valêncio Xavier que, como poucos, alcançou excelência no tratamento da fragmentação; sua obra, que depura e atualiza o Nouveau Roman, o coloca ao lado de Osman Lins, Julio Cortázar e outros grandíssimos.”

LUIZ MANFREDINI

Foto: Divulgação

Meu tio Roseno, a cavalo, de Wilson Bueno
Editora 34
“Romance enxuto (pouco mais de 80 páginas em formato de bolso) em que Wilson Bueno expressa seu excepcional talento narrativo e seu profundo apreço pela linguagem, revelados na viagem a cavalo do tio pelo sertão do Norte paranaense para assistir o partido de sua primeira filha.”

Soldados de Salamina, de Javier Cercas 
Editora Globo
“O narrador, que é o próprio Cercas, busca um personagem da guerra civil espanhola, um republicano salvo da morte por um soldado franquista. Cercas possui um estilo claro, objetivo e sua trama prende o leitor até o fim, levando-o às entranhas do grande drama político espanhol.”

MARCIO RENATO DOS SANTOS

Foto: Divulgação

Trem, de Guido Viaro
Editora Insight
“O projeto literário de Guido Viaro é amplo e até o momento inclui 19 títulos – o primeiro romance, O quarto do universo, foi publicado em 1998. Quem eventualmente ainda não leu, pode conhecer o legado do escritor a partir de seu 18.º romance, Trem (2020). A longa narrativa discute a existência dialogando com outros livros de ficção, filmes e filosofia. Há recriação de interiores e vagões do veículo de transporte que dá nome ao livro, personagens variados e mudanças de pontos de vista na narrativa. Como em “Cajuína”, canção do Caetano Veloso, a literatura de Guido Viaro pergunta: “Existirmos, a que será que se destina?”. Trem e os outros títulos do escritor são formados nas linhas, e entrelinhas, por linguagem e indagações sobre possíveis sentidos da existência. Livro é o melhor presente em qualquer dia do ano.”

ROBERTO NICOLATO

Foto: Divulgação

Torto Arado, de Itamar Vieira Junior
Editora Todavia
“O livro acabou de vencer o Prêmio Jabuti, na categoria romance. A história de Belonísia e Bibiana é retratada por meio de uma narrativa comovente, instigante e com muita maestria. No livro, o leitor mergulha nas raízes de um Brasil rural e com os resquícios de uma escravidão inacabada.”

RODRIGO GARCIA LOPES

Foto: Anderson Craveiro

As flores do mal, de Charles Baudelaire (tradução de Júlio Castañon Guimarães)
Editora Companhia das Letras
Emily Dickinson – Poesia Completa (tradução de Adalberto Müller)
Editora UnB

“O Júlio fez um belíssimo e já histórico trabalho de transpoetização desse livro fundador da poesia moderna. Dickinson, ao lado de Walt Whitman, é uma das poetas mais importantes da língua inglesa. Dois trabalhos importantes, exemplares do alto nível que a tradução de poesia chegou no Brasil.”

 

Você sabia que o Curitiba de Graça é um veículo feito por jornalistas e é independente? Para continuarmos fazendo nosso trabalho de difusão da cultura precisamos do seu apoio. Veja como colaborar AQUI.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicações Recentes

Oficina de Música: Programação infantojuvenil ganha destaque na edição virtual

Shows para as crianças e bate-papos para pais e educadores estão entre as atrações A educação musical também têm destaque...
- Advertisement -

Veja Também

close-link
1vbOJm4gRLHIeVVCT3VKjoSf3gUTH4wpm3RqkByOFLr5dpTNpnfG0zRzWqFtH2zDleb85kuSfcU8zHc5lgdOnw==