Publicado em 25 de maio de 2020

Precisamos do afeto de uma receita simples, mas que também seja carregada de carinho, de lembranças gostosas, que nos traga novamente aquela sensação de segurança

Arte: Maria Clara Bicalho Patzsch

Arte: Maria Clara Bicalho Patzsch

Por Irma Bicalho

Logo que comecei a escrever esta coluna, meu amigo Carlos Bório, um dos editores do site Curitiba de Graça, sugeriu que eu ensinasse às pessoas receitas simples. Ele disse que durante a pandemia, muita gente estava se batendo na cozinha. Por nunca ter cozinhado antes, por não gostar de cozinhar, por não poder ir aos restaurantes costumeiros. E ele tem razão. Nossa zona de conforto alimentar foi gravemente abalada. Até mesmo para aqueles, que como eu, estavam acostumados a fazer a própria comida.

Nesses dias em que a prioridade é manter a saúde física e mental e tentar não enlouquecer diante deste panorama digno de filme de zumbi, até o meu apetite foi detonado. Me pego várias vezes por dia com aquela vontade louca de comer alguma coisa, mas sem conseguir saber ao certo o quê. Isso acontece com você também? Penso nas minhas guloseimas preferidas, como marta rocha, confeitos de amendoim, bolacha recheada com leite gelado, mas nada…não é nada disso que vai me satisfazer.

Acho que esse buraco no meu estômago é mais profundo. Vem da alma, vem do medo, da tristeza, da incerteza e até da raiva. Fico pensando… Se eu fosse um personagem daquele filme, Divertida Mente, da Pixar, que cor eu teria? Quem eu seria? Uma mistura tão louca de sentimentos e emoções que não consigo sequer definir o que preciso e quero comer.

Então, pensando no que o Bório me falou, pensando no turbilhão de emoções que estamos guardando na barriga, acho que, mais do que comida, precisamos é de um pouco de afeto, de carinho. Como quando éramos crianças e deitávamos na cama dos nossos pais nas noites em que tínhamos pesadelos. Eu fazia isso. Entrava sorrateira debaixo dos lençóis, ao lado da minha mãe, me encostava no ventre quentinho dela e me sentia segura, salva de qualquer ameaça dos sonhos ruins ou da noite silenciosa lá de fora da janela.

Precisamos do afeto de uma receita simples, mas que também seja carregada de carinho, de lembranças gostosas, que nos traga novamente aquela sensação de segurança. Você tem uma receita assim? De comida confortável? Eu tenho. Está aqui, do lado do meu teclado, escrita com a letra da minha falecida mãezinha, num papel amarelado e cheio de dobras esquisitas. É uma receita tão simples, que qualquer um pode fazer. Tão barata, que qualquer um pode comprar. Mas tão deliciosa e sublime, que merecia fazer parte de um banquete dos deuses. Quero dá-la de presente para vocês, para que possamos compartilhar um café da tarde fortalecedor de almas.

É uma receita de pão de minuto. Um pãozinho doce, para tomar com café coado na hora, ou um bom pingado. Faz-se em cinco minutos. Leva mais 20 para assar. E cabe a você decidir em quanto tempo irá abocanhar cada um dos 12 ou 15 pães que rendem essa receita. Ah, se passar manteiga por cima então, quando ainda quentinhos…

Pão de Minuto da Dona Helena

  • 13 colheres de farinha de trigo branca (bem cheias, de montanha. As receitas caseiras antigas são assim, imprecisas. Querem atenção, retoques. Mas eu medi na balança e deu 440 g de farinha de trigo, ou duas xícaras e meia)
  • 4 colheres de sopa de açúcar
  • 1 colher de sopa montanhosa de manteiga em temperatura ambiente (sim, pode ser margarina, mas com 80% de lipídios, ou seja, nenhuma versão light ou daquelas que se dizem saudáveis)
  • 1 colher de sopa de fermento químico (tipo Royal)
  • 1 xícara de chá de leite
  • 2 ovos
  • Uma pitada de sal

Misture todos os ingredientes secos numa vasilha grande. Em outra vasilha, bata muito bem os ovos, a manteiga e por último o leite. Quando estiver bem misturado, jogue por cima da mistura com a farinha e mexa delicadamente com uma colher, só até que tudo seja absorvido. A massa não fica lisinha não, fica empelotada mesmo, mole e pegajosa. Não bata forte, se não os pães ficam borrachudos. Com a ajuda de duas colheres, vá colocando pequenas porções na forma untada, com um espaço de uns 5 cm entre cada um. Asse em forno pré-aquecido a 180°C por 25 minutos ou até que estejam levemente dourados. Importante: Enquanto espera os pães assarem, coe café ou faça um chá e desfrute o aroma inebriante da sua cozinha. Pense em coisas boas, pessoas que ama e sinta-se fortalecido e abraçado.

Se quiser trocar uma ideia, pedir uma ajuda, mande um e-mail para irma@curitibadegraca.com.br e terei o maior prazer em responder.


Irma Bicalho é uma das editoras do Curitiba de Graça, jornalista, formada pela PUC-PR, dona de casa, mãe de quatro filhos e tutora de três cachorros e três gatos. Há três anos se formou no curso de Cozinheira do Senac-PR. Desde então tem se dedicado mais a duas de suas grandes paixões: comer e cozinhar.

15 Comments

  1. Paulo Nauiack 25 de maio de 2020 at 10:56 - Reply

    Irma, não sou de comentar mais as lembranças me fizeram correr para a cozinha verificar se tinha ovos. Vou fazer agora! Obrigado pela doce motivação!

    • Irma Patzsch 29 de maio de 2020 at 18:19 - Reply

      Espero que tenha gostado. Finalmente estou conseguindo alguns resultados satisfatórios com os pães de fermentação natural. Em breve lhe enviarei um exemplar. Obrigada pelo carinho.

  2. Magaléa Mazziotti 25 de maio de 2020 at 12:14 - Reply

    Seu texto consegue ser ainda mais delicioso e reconfortante do que essa receita tão especial e refletia de significados!!! Obrigada! Siga multiplicando afeto e nutrindo a vida de encantamento!!!

  3. Magaléa Mazziotti 25 de maio de 2020 at 12:15 - Reply

    Seu texto consegue ser ainda mais delicioso e reconfortante do que essa receita tão especial e REPLETA de significados!!! Obrigada! Siga multiplicando afeto e nutrindo a vida de encantamento!!!

  4. Alexandra Ferreira Martins Ribeiro 25 de maio de 2020 at 12:21 - Reply

    Amiga! É isso mesmo! Precisamos de receitas simples que nos reconforte! Aqui em casa a pandemia proporcionou que o Xande, meu filho mais novo, fizesse quase todos os dias um bolo de chocolate. Creio que isso o deixa seguro, lhe proporciona a sensação de poder, de contribuir, de fazer algo de bom em meio ao turbilhão em que o mundo passa. Para ele, creio eu, são essas as lembranças que ficarão da quarentena: um tempo em que ele fazia bolo, a mãe mandava mais do que o normal e que as visitas nos avós tinham certas restrições.

    • Irma Patzsch 29 de maio de 2020 at 18:21 - Reply

      Vamos ensiná-lo a fazer o pãozinho. Aposto que ele vai gostar. Beijos pro Xande e pro Pedroca!

  5. Cecilia Michiyo Sawada Nakashima 25 de maio de 2020 at 16:01 - Reply

    Amei Irma!
    Vou tentar fazer…
    Obrigada pela sugestão

  6. Veronica Macedo 25 de maio de 2020 at 17:15 - Reply

    Irma, receita rápida, fácil e deliciosa. É mesmo um carinho pra alma. Precisamos. Muito. Publica mais abraços em forma de receita, flor! Beijos e parabéns pela coluna.

  7. Felix Bicalho 25 de maio de 2020 at 22:26 - Reply

    Desnecessário dizer que essa e outras receitas da Dona Helena me trazem saudosas e maravilhosas recordações !!!
    Como era mesmo a receita de Batatas Assadas

    • Irma Patzsch 29 de maio de 2020 at 18:18 - Reply

      A incrível receita da Batata Assada é assunto para outra postagem. Aguarde. Beijos e fique em casa!

  8. Isabela França 25 de maio de 2020 at 23:54 - Reply

    Amo pão de minuto. Realmente leva a gente numa viagem no tempo pro colo da mãe. A minha fazia e eu adorava comer com manteiga derretida sobre o pãozinho ainda quente. Obrigada pelo texto! Delicioso!

    • Irma Patzsch 29 de maio de 2020 at 18:16 - Reply

      É exatamente assim que eu adoro até hoje, com a manteiga derretida e um café fresco. Abraços.

  9. Elisa 27 de maio de 2020 at 19:05 - Reply

    Parabéns pela matéria! Essa receita está comigo a pelo menos 35 anos, que a minha querida mana me passou de presente de aniversário. Realmente fácil e deliciosa. Sucesso!

    • Irma Patzsch 29 de maio de 2020 at 18:14 - Reply

      Que bom que gostou. Os presentes mais simples são os que ficam para sempre. Beijos.

  10. Matthäus 29 de maio de 2020 at 18:51 - Reply

    Muito boa mamãe!

Leave A Comment