Publicado em 11 de junho de 2020

Dinâmica aplicada há 35 anos em diversos países mostra que a cooperação entre empreendedores pode fazer a diferença na hora de salvar o negócio

cooperação

Dinâmica aplicada em 77 países é baseada na indicação de serviços de associados. Foto: Pixabay

Por Irma Bicalho

Com a pandemia e a paralisação da economia mundial, os empreendedores terão grandes desafios para vencer os obstáculos de mais uma crise econômica. Não será fácil, mas para reposicionar os negócios e reinventar estratégias de sobrevivência, uma alternativa é contar com a cooperação entre empresários de diferentes setores.

Essa é a proposta de uma organização criada há 35 anos e que hoje atua em 77 países. Um grupo de empresários que se reúnem semanalmente para divulgar seus negócios e trocar ideias sobre diferentes setores. Assim funciona o BNI – Business Network International. Criada nos Estados Unidos em 1985, a organização chegou ao Brasil em 2009 e hoje conta com mais de 7200 membros em vários estados.

Café da manhã

A dinâmica do BNI é a mesma em qualquer grupo criado nos países em que atua. Toda semana, às 6h30 da manhã, os grupos de empreendedores de diferentes portes e segmentos, se reúnem para um café da manhã no qual trocam referências de seus negócios. Durante o encontro, que começa pontualmente às 7h e termina às 8h30, cada empresário tem um momento para apresentar seu empreendimento e especificar qual tipo de clientes tem interesse em conquistar.

Enquanto isso, todos os outros participantes anotam o pedido e, nos dias seguintes, acionam sua rede de relacionamentos para identificar esse possível cliente e apresentá-lo ao colega de equipe. Assim, será feita uma aproximação comercial. Isso é feito sem nenhum tipo de comissionamento. E essa é a base do principal pilar do BNI, “Givers Gain”, que pode ser traduzido como “ganhar contribuindo”.

Para garantir uma boa atuação dos empresários, um dos critérios do BNI é a exclusividade no ramo de atividade do participante em cada equipe. Por isso, cada grupo indica apenas um empreendedor de cada segmento de atuação, reduzindo a possibilidade de concorrência. Caso existam outros interessados do mesmo ramo, há a possibilidade de serem criados outros grupos.

BNI em Curitiba

Mais de quinhentos empresários participam do BNI em Curitiba. Desde que se formaram as equipes na capital paranaense, há quatro anos, já foram movimentados R$ 60 milhões entre os membros da rede. Mesmo durante a pandemia as atividades do BNI em Curitiba continuam. Porém, da mesma forma como hoje são feitas milhões de reuniões diárias, as do BNI também estão sendo virtuais, pela internet.

VEJA TAMBÉM: Sebrae/PR cria ferramenta para indicar linhas de crédito

Segundo o diretor executivo do BNI Curitiba e Região Leste do Paraná, André Ribeiro, a indicação é uma das principais ferramentas para fechar bons negócios. “Nós sabemos que grande parte dos negócios de uma empresa vem de indicações. O que o BNI faz é oferecer uma dinâmica que que vem sendo estudada há 35 anos, para que o empresário aproveite o network dos membros da equipe a seu favor. Em um ambiente sem concorrência e sem comissão, os empreendedores podem aprender um com os outros e crescer juntos, realizando bons negócios”.

Para fazer parte de uma das equipes, é preciso se candidatar e passar por uma entrevista. Uma comissão de membros avalia o perfil do empresário e suas referências comerciais. Se aprovado, o candidato paga uma anuidade que dá direito a participar de 52 encontros semanais e treinamentos sobre as melhores práticas de networking.

 

 

Apoie os pequenos negócios!
Acesse a Rede do Bem e confira os pequenos empresários e comércios que estão trabalhando para deixar sua vida mais confortável!

Leave A Comment