Pesquisador da UFPR lança álbum que funde gêneros musicais paraguaios e brasileiros

Álbum de Julio Borba mescla gêneros paraguaios e brasileiros, como a polca paraguaia, a guarânia, o samba e a bossa nova

O pesquisador de etnomusicologia na Universidade Federal do Paraná (UFPR), Julio Borba, cresceu e foi criado no Mato Grosso do Sul, região da fronteira entre o Brasil e o Paraguai, onde a música pantaneira, também caipira ou paraguaia, é tradição entre o povo.

Embora tenha seguido o caminho da formação clássica, de conservatório, essa tradição musical de sua vida, que funde a musicalidade paraguaia e brasileira, foi recuperada no álbum Entroncamento, lançado pelo selo Onça Discos, que é fruto da sua experiência como músico e pesquisador.

O título, Entroncamento, que significa encruzilhada, é um termo comum no Mato Grosso do Sul para se referir às grandes festas no interior. As obras autorais trazem expressões sonoras dos gêneros musicais como a polca paraguaia, a guarânia, o samba e a bossa nova, com elementos jazzísticos.

Ouça o álbum “Entroncamento” no Spotify

Em sua pesquisa no doutorado em andamento no PPGMúsica, Borba estuda a relação da música instrumental brasileira e paraguaia, utilizando áreas de comunicação e sociologia com o conceito interculturalidade. Para isso, escolheu o campo da etnomusicologia, que, segundo ele, é uma vertente associada fortemente à antropologia e, por este caminho, é possível captar objetos que se encontram fora de uma tradição ocidental.

O álbum reflete o trabalho do músico, que busca estudar e entender a sua própria bagagem musical para aprimorar a prática. “Eu preciso tocar para entender as questões teóricas e preciso tentar entender as questões teóricas para tocar melhor. Tudo é uma forma de aprendizagem fundamental como músico e como pesquisador“, explica.

VEJA TAMBÉM: Brasis no Paiol anuncia temporada 2020 on-line com 50 shows

“Este é um legado histórico que estava sendo perdido, abandonado e o trabalho de pesquisa no GRUPETNO me ajudou a me aprofundar nesse estudo, descobrindo dois gêneros: a polca paraguaia e chamamé, que tem uma relação forte com a cultura paraguaia, com a música caipira, com interior do país“, afirma.

O disco tem a direção musical do compositor uruguaio Santiago Beis e a participação de músicos atuantes em Curitiba, como o baixista Leonardo Lopes, o baterista Pedro Mila, os acordeonistas André Ribas e Éverton Silveira e o saxofonista Ronald Kubis.

Confira uma entrevista de Julio Borba para o programa Som e Prosa da UFPR TV

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicações Recentes

Leitura Genial: Os livros infantis têm gênero?

Existe história especial para meninos ou meninas? Na minha humilde opinião, não Por Adelita BeckerTive uma livraria física, e nela,...

Mês da Consciência Negra é marcado por ações virtuais de museus

Atividades têm o objetivo de mostrar o trabalho de artistas negros e negras e discutir o silenciamento historicamente imposto à cultura afrobrasileira no Paraná A...

#CulturapeloBrasil: Festival de Cinema de Santos tem inscrições abertas para todo o país

Podem ser inscritos curtas-metragens de até 20 minutos e videoclipes O Curta Santos – Festival de Cinema de Santos (SP) está com inscrições abertas até...

Mulheres Paranaenses: Dirce Clève, uma mulher sintonizada com seu tempo

Professora, escritora, nomeando uma biblioteca e um concurso literário, ativista de direitos das mulheres, dona de casa, mãe e avó, Dirce Clève tem uma...

Festival Internacional de Percussão de Curitiba será transmitido pelo YouTube

A edição 2020 do Festival Internacional de Percussão terá 22 lives, entre apresentações musicais e palestras Neste ano, a terceira edição do FIP – Festival...

Veja Também

close-link