O Filho Mau: Artistas curitibanos transformam história de tragédia familiar em HQ

A publicação, criada pela escritora Carol Sakura e pelo ilustrador Walkir Fernandes, tem distribuição gratuita

Por Camile Triska
Uma história real do assassinato do pai pelo filho é o pano de fundo de uma nova HQ curitibana, “O Filho Mau”, produzida pela escritora e pesquisadora Carol Sakura e pelo ilustrador e diretor de animação Walkir Fernandes. A publicação foi inspirada em relatos que a autora ouviu de sua avó ao longo da vida.
“Sempre quis contar essa história porque a achava muito impressionante, e toda vez que minha avó falava nela, alguma coisa estranha surgia”, lembra Carol.
Na HQ, uma menina e sua avó conversam enquanto dores e traumas de ambas se misturam. Mas, o enredo vai além e se transforma também em algo estranho, com tons sobrenaturais que remetem a muitas outras narrativas de violência dentro das famílias.
“Desde o início, me chamou a atenção a violência camuflada que nos rodeia. Todo mundo tem uma história de violência na família. São histórias tristes e que ecoam ao longo dos anos e gerações, como um vulto, um fantasma ou mesmo uma doença que teima em não sai da nossa casa ou cabeça. A gente se pergunta como esse mal marca a vida dos que ficam?”, questiona Walkir.
Segundo o ilustrador, contar a fábula de um “Filho Mau” foi uma viagem a um interior do Brasil “onde as ruas são desertas, ainda vive a vovozinha, o ônibus passa longe, e só de vez em quando, e o Lobo Mau está sempre atento, pronto para agir.”

Foto: Divulgação

Parceiros antigos, inclusive no premiado curta-metragem “Apneia”, Carol e Wilker mudaram seu processo de trabalho em “O Filho Mau”. “Foi um projeto muito nosso, porque não defini quadros como num roteiro normal: fomos fazendo juntos. Ele criava esboços de como imaginava a construção das cenas e eu escrevia. Nunca fiz algo tão colaborativo”, revela Carol.
A HQ terá um lançamento virtual na próxima quarta (09/12), às 19h, em live no Instagram @walkirfernandes. A publicação, que foi realizada com o Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba, tem tiragem de 1 mil exemplares com distribuição gratuita na Gibiteca de Curitiba, localizada no Solar do Barão (Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 533 – Centro) e na Itiban Comics Shop (Avenida Silva Jardim, 845 – Água Verde).
Em entrevista para o Curitiba de Graça, Carol Sakura contou mais sobre as inspirações e a produção da HQ.
Por que abordar a violência dentro das famílias?
Sempre que falávamos de histórias familiares algum tipo de violência acabava surgindo. O que se tornou evidente foi como a violência é ainda mais intensa dentro dos núcleos familiares. Essa parecia uma história bem mais ampla e comum do que a experiência pessoal que tínhamos. Parecia um tema de todos.
Mais do que violência doméstica, a HQ aborda como esses casos influenciam no relacionamento entre outras pessoas da família. É uma tentativa de tentar entender o que leva alguém a se tornar violento?
É bem por aí. Parece que na sociedade todas as histórias violentas buscam um culpado que justificaria a violência: a maldade, o sobrenatural, a loucura. Mas o que sentimos, no nosso processo, é que há algo violento nas relações familiares mais íntimas. São tensões muito complexas e acredito que pouco discutidas.
Foto: Divulgação

Vocês mencionaram que a história, embora inspirada em fatos reais, se desdobra para algo sobrenatural. Poderia explicar um pouco mais sobre isso?
Acho que explorar o fato de uma perspectiva sobrenatural é questionar as fontes dessa violência, elas nos assombram como fantasmas e vão se perpetuando como um tipo de maldição. Pela ficção tentamos provocar a reflexão a respeito do sentido de “mau” e desconstruir os sentidos possíveis da maldade. A roupagem sobrenatural dá mais ambiguidade para essas perguntas.
A HQ é inspirada em histórias contadas por sua avó. É possível nos dizer até onde o que lemos na obra é real ou fictício?
Não gosto muito de traçar um limite entre o factual e o ficcional. Como não presenciei os eventos, e como ouvi diferentes versões dele, ele é todo ficção de certa forma. O que houve mesmo, infelizmente, é que o irmão da minha avó assassinou o próprio pai.
Foram realizadas outras pesquisas sobre o tema para produzir a HQ?
Para os personagens e cenários foi realizada uma pesquisa iconográfica. O Walkir usou como referência fotos de seus parentes mais distantes. Nós dois temos resquícios desses espaços rurais em nossa genealogia que tentamos representar imageticamente no livro. Enquanto escrevia o texto me voltei muito para os contos de fadas, acredito que eles contribuíram para outra perspectiva da maldade dentro da história. São narrativas essenciais também carregadas de violência e de expressões do “mau”.
 
Você sabia que o Curitiba de Graça é um veículo feito por jornalistas e é independente? Para continuarmos fazendo nosso trabalho de difusão da cultura precisamos do seu apoio. Veja como colaborar AQUI.

Deixe uma resposta

Publicações Recentes

Evento gratuito com show de jazz: Alameda Prudente de Moraes será fechada dia 25 para o Prudente Cultural

Edição do “Prudente Cultural” acontece neste sábado, 25 de maio de 2024. Um evento gratuito com show de jazz,...

Veja Também

spot_imgspot_img

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Importante: Este site faz uso de cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes.